3 de out de 2017

Artigo: Narcisismo e Desonestidade Acadêmica

A Revista Universo Contábil (Blumenau, v. 13, n. 3, p. 70-89, jul./set., 2017) publicou em sua última edição o estudo Narcisismo e Desonestidade Acadêmica, de autoria de Bruna Camargos Avelino e Gerlando Augusto Sampaio Franco de Lima.
O trabalho teve como objetivo verificar se traços de personalidade narcisista influenciam a probabilidade de estudantes do curso de Ciências Contábeis apresentarem comportamentos considerados desonestos no âmbito acadêmico.
A pesquisa foi aplicada a 201 estudantes de IES de três estados brasileiros, por meio de um questionário. De acordo com o resumo do trabalho, as evidências empíricas apontam que as respostas dos estudantes remetem a características de indivíduos narcisistas, tais como: obstinação em busca de seus objetivos; busca incansável pelo sucesso; preferência por produções individuais; dificuldades em expressar sentimentos que envolvam conflitos e sofrimentos; sentimento de culpa quando não atingem seus ideais; preocupação exacerbada com o corpo; necessidade de impressionar bem os outros; sentimento de incômodo quando precisam de alguém; busca desenfreada pelo prazer; dentre outras.
Porém, segundo os autores, tais tendências narcisistas não exercem influência sobre a probabilidade de os estudantes apresentarem comportamentos considerados desonestos no ambiente acadêmico.
No texto completo do artigo não foi disponibilizado o questionário, mas me causou curiosidade verificar como foi “avaliada” a probabilidade de os estudantes apresentarem comportamentos considerados desonestos no ambiente acadêmico. Trata-se de uma dimensão crítica que, em um questionário, precisa ser colocada de forma muito sutil para não apresentar viés, uma vez que não parece agradável a ninguém admitir uma tendência a comportamentos considerados desonestos.
Vou pedir o acesso ao questionário ao Gerlando e à Bruna. Enquanto isso, segue o link para acesso ao artigo.

26 de set de 2017

Novo Perfil da Profissão Contábil

Olá pessoal,
Reproduzo aqui matéria publicada na Revista Exame sobre o novo perfil da profissão contábil.

O novo perfil de uma das profissões mais estáveis do Brasil
Com o avanço do big data, a carreira em contabilidade tem exigido novas competências. 

Faça chuva ou faça sol na economia do país, quem trabalha com contabilidade parece estar sempre a salvo de turbulências. Mas toda essa lendária estabilidade da carreira não se traduz em ausência de novidades — ou de mudanças.

A chegada de novas tecnologias está alterando a antiga profissão, e quem não acompanhar esse ritmo acabará ficando para trás, diz o professor Bruno Salotti, coordenador da graduação em ciências contábeis da FEA-USP (Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo).

Foi-se o tempo em que o contador era o mero encarregado de registrar manualmente em livros cada ocorrência contábil do negócio. As atividades burocráticas da área passaram a ser cada vez menos feitas por humanos com a chegada da informática e, mais tarde, dos softwares especializados.

“O profissional deixou de produzir os dados e passou a analisá-los, com o objetivo de prever o impacto contábil de cada decisão de negócios”, diz Salotti.

Nesse sentido, deixou de olhar para o passado da empresa — o dinheiro que entrou e que saiu no mês anterior, por exemplo —, e passou a fazer projeções para seu futuro.

A automatização de processos em contabilidade transformou um trabalho burocrático em analítico, o que também abriu espaço para que ele pudesse se tornar gerencial: há anos, grandes empresas já contam com a figura do CAO (Chief Accounting Officer), uma posição de diretoria alternativa à do tradicional CFO (Chief Financial Officer).

“O contador tem sido trazido para o âmbito da gestão”, afirma o professor da USP. “Ele agora ajuda a desenhar operações para gerar economia fiscal, identificar as melhores áreas geográficas para expandir o negócio e delinear as estratégias da companhia de forma geral”.

O big data entra na conta

Para desempenhar funções cada vez mais estratégicas, o contador tem em mãos um recurso precioso: o big data.

Afinal, graças ao avanço da tecnologia, um gigantesco oceano de dados está à disposição das empresas — e elas buscam profissionais capazes de ajudá-las na missão de desvendá-los, inclusive na seara contábil.

“Além de ter conhecimentos profundos em contabilidade, hoje também é preciso dominar ferramentas de análise de big data e business intelligence”, diz José Carlos Fortes, contador e presidente da Fortes Tecnologia, empresa que desenvolve de softwares de gestão.

O profissional de contabilidade mais requisitado do momento, segundo ele, é uma espécie de “cientista de dados contábeis”.

Não é preciso entender de programação, necessariamente; mas é preciso ir muito além do Excel. “O novo contador precisa dominar ferramentas de gestão de dados, montar painéis de análise e extrair conclusões para orientar as decisões do negócio”, afirma o especialista.

Domínio do inglês é raro na área

Além da facilidade para lidar com o big data, o contador do século 21 também precisa ter pelo menos nível intermediário no idioma de Shakespeare para compreender e transmitir informações sobre a situação contábil do negócio — principalmente no caso de trabalhar em uma multinacional.

“Embora tenha havido uma melhora nos últimos anos, ainda é muito difícil encontrar candidatos que falem bem inglês, porque historicamente as vagas em contabilidade não exigiam essa competência”, explica Leonardo Berto, gerente de negócios da consultoria Robert Half.

Segundo o especialista, um contador especializado em tributos que domine o idioma é do tipo “mosca branca”: encontrá-lo é uma missão praticamente  impossível.

O professor Salotti, da FEA-USP, diz que seus alunos são orientados em sala de aula a investir no inglês. “A faculdade tem disciplinas e provas em inglês, além de oferecer diversos programas de intercâmbio”, explica. “O estudante compreende desde cedo que, na carreira de contabilidade, inglês não é mais diferencial, mas requisito”.

Comportamento também importa -- e muito

De acordo com o gerente da Robert Half, certas habilidades comportamentais específicas são fundamentais para se dar bem no mercado de contabilidade no Brasil.

Uma delas é a disposição para investir em atualização constante. “A pós-graduação em controladoria é o caminho natural de muitos contadores,”, explica Berto. “Como ensina a transformar números em estratégia, é um dos mais demandados pelo mercado”.

Mestrado ou MBA em auditoria, compliance, business intelligence, gestão e perícia contábil também estão entre as opções de pós-graduação mais quentes do momento na área, segundo Fortes.

Ter um perfil estudioso, porém, não é suficiente. Além de resiliência e capacidade de automotivação, o contador precisa ser hábil em relacionamentos interpessoais. “Uma demanda recorrente dos empregadores é por profissionais que saibam se comunicar e fazer a ponte entre o departamento contábil e outras áreas, como marketing, vendas ou operações”, diz Berto.

Salotti também destaca a capacidade de navegar pela interdisciplinaridade do mundo dos negócios. Além de ter um conhecimento profundo sobre a própria área, o contador também deve saber um pouco de economia, administração, estatística, direito e tecnologia.

“Quem tem uma sólida formação em ciências contábeis e uma visão panorâmica de outras áreas, além de fortes competências comportamentais, será um excelente candidato à diretoria de finanças de uma empresa”, diz o professor da FEA-USP.

Fonte: Revista Exame 

22 de set de 2017

Pós graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis II

Após a divulgação dos resultados da avaliação quadrienal (2013-2016) dos programas de pós graduação Stricto Sensu no Brasil pela CAPES, temos a seguinte situação dos  PPG da área de Ciências Contábeis:


(*) PPG em descontinuidade.

As regiões Sudeste e Sul concentram juntas 70% dos programas de pós-graduação Stricto Sensu da área de Ciências Contábeis. A área cresceu, mas continua concentrada e ainda com oportunidades de expansão.

20 de set de 2017

Pós graduação Stricto Sensu em Ciências Contábeis

A divulgação dos resultados da avaliação quadrienal (2013-2016) dos programas de pós graduação Stricto Sensu no Brasil pela CAPES revelou os seguintes dados para os PPG da área de Ciências Contábeis:

São 31 programas de pós graduação Stricto Sensu recomendados, sendo 27 acadêmicos e 4 profissionais. Esses PPG oferecem 46 cursos, sendo 4 mestrados profissionais, 27 mestrados acadêmicos e 15 doutorados.

Esses números revelam um crescimento relevante na área, pois na avaliação anterior (Triênio 2010-2012) os números eram bem mais modestos: eram 20 PPG ativos, sendo 17 acadêmicos e 3 profissionais. Esses PPG ofereciam 24 cursos, sendo 3 mestrados profissionais, 17 mestrados acadêmicos e 4 doutorados.

Em relação ao número de PPG, houve crescimento de 55% (de 20 para 31).

Em relação ao número total de cursos, houve crescimento de 91,7% (de 24 para 46).

Em relação ao número de cursos de Mestrados acadêmicos, houve crescimento de 58,8% (de 17 para 27).

Em relação ao número de cursos de Doutorado, houve crescimento de 275% (de 4 para 15).

Acesso ao resultado completo da Avaliação Quadrienal da CAPES

20 de jun de 2017

Congressos com submissões em aberto

Congressos com submissões em aberto:

-- VIII Congresso Nacional de Administração e Contabilidade - AdCont 2017 [http://adcont.net/index.php/adcont/AdCont2017]
Data do evento: 19– 21 outubro de 2017
Local: IAG/PUC-Rio – Rio de Janeiro – RJ 
Período de submissão: 26/06/2017 a 31/07/2017

-- 3º Congresso UnB de Contabilidade e Governança [http://soac.unb.br/index.php/ccgunb/ccgunb3]
Data do evento: 29 de novembro – 1º de dezembro de 2017
Local: UnB – Brasília – DF
Submissão de artigos: 1/6/2017 a 31/7/2017

-- XXIV Congresso Brasileiro de Custos [http://cbc2017.abcustos.org.br/] 
Data do evento: 15 a 17 de novembro de 2017
Local: Florianópolis - SC
Submissão de artigos: 18/07/2017 a 13/08/2017

-- X Congresso de Administração Sociedade e Inovação (CASI) 2017 [http://www.congressocasi.uff.br/]
Data do evento: 30 de novembro – 1º de dezembro de 2017
Local: Petrópolis – RJ
Submissão de artigos: 01/06 a 15/09/2017

13 de jun de 2017

Big Data & Applied Retail Analytics

Call for Papers - Big Data & Applied Retail Analytics (CLAV 2017)

Data: 19 e 20 de outubro de 2017


Deadline: 18/07/2017

Chamada de Trabalhos: Artigos (Científicos/Executivos/Working Papers), Caso de Ensino, Consórcio Doutoral, Iniciação Científica

Os melhores artigos científicos (com texto completo) serão considerados para publicação nos seguintes periódicos:

- Fórum RAE (Revista de Administração de Empresas)
- GV-Executivo
- Marketing Intelligence & Planning
- Revista Brasileira de Marketing (REMark)

Infos e inscrições: fgv.br/clav


Capital Natural e Metas de Desenvolvimento Global

O Laboratório de Modelagem de Sistemas Contábeis (LMSC) da FACC/UFRJ convida para um evento sobre Meio Ambiente, no mês em que comemoramos o Dia Mundial do Meio Ambiente. 

Evento: Palestra “Capital Natural e Metas de Desenvolvimento Global”
Palestrante: Jimmy Greer também é o Senior Manager - Business Focus da ACCA - Association of Chartered Certified Accountants e também membro do ISAR - UNCTAD.

Quando: 27 de Junho de 2017 (terça-feira)

Hora: 16h

Onde: Casa da Ciência - Centro Cultural de Ciência e Tecnologia da UFRJ (Campus Praia Vermelha - Rua Lauro Muller, nº3).

Inscrições e infos: lmsc@facc.ufrj.br

Workshop RAUSP - 70 years

Workshop RAUSP - 70 years
Learning How to Plan, Write, Revise and Publish Top Quality Papers In Top Quality Journals
Donald Huisingh - Editor-in-Chief, Emeritus, Journal of Cleaner Production
O Workshop tem por objetivo oferecer uma oportunidade para pesquisadores refinarem um artigo em estágio avançado (quase finalizado / finalizado) para submissão a um Top Journal. Os participantes terão a oportunidade de discutir seu artigo individualmente com editores experientes em suas áreas de pesquisa.
Deadline: 19 de Junho
Mais informações em: https://rausp70anos.wixsite.com/rausp-workshop

1 de jun de 2017

Rejeição de contas pelo TCE-RJ

O CRC-RJ se posicionou a respeito do parecer do TCE-RJ sobre as contas do Governo do Estado e a resposta do Governador sobre o parecer.
Em nota, o governo sinalizou que a rejeição das contas proposta pelo TCE-RJ se baseia apenas em questões de "natureza contábil" e que isso não reflete as condições em que os recursos públicos foram obtidos e aplicados, indicando divergências entre as informações apresentadas pela Contabilidade Pública e o entendimento do Governo.
Seria importante o governo do ERJ se lembrar que o parecer prévio emitido pelo TCE tem como base relatórios de natureza contábil, orçamentária e fiscal preparados pelo próprio governo do Estado... Se o ente não concorda com a fidedignidade de representação dos relatórios que emite, temos sérios problemas de evidenciação.

Segue a nota do CRC-RJ.


Escola de Amostragem e Metodologia da Pesquisa

V Escola de Amostragem e Metodologia da Pesquisa (V ESAMP)

Estão abertas as inscrições e também a submissão de trabalhos para apresentação na V Escola de Amostragem e Metodologia da Pesquisa (V ESAMP) que será realizada no período de 17 a 20 de outubro de 2017, no espaço Cenarium Rural, em Cuiabá, Mato Grosso. 

Como parte da programação da V ESAMP, será também realizado o IV Workshop Internacional sobre Pesquisas para Avaliação de Políticas Públicas.

Maiores informações podem ser encontradas no site oficial do evento: www.redeabe.org.br/esamp2017/
“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)