18 de abr de 2017

Satisfação dos professores de Contabilidade no Brasil

Há um tempo respondi a um questionário por solicitação de um grupo de pesquisadores da Universidade Federal de Uberlândia. Ontem recebi um feedback dos pesquisadores. Trata-se da pesquisa Satisfação dos professores de Contabilidade no Brasil, de autoria Tamires Sousa Araújo, Gilberto José Miranda e Janser Moura Pereira, publicado na Revista Contabilidade & Finanças (v. 28, n. 74, p. 264-281, mai./ago. 2017).

Os resultados da pesquisa são animadores em relação à satisfação do docente: as pessoas gostam do que fazem e têm sentimentos positivos em relação à atividade docente. Não estamos no paraíso, mas somos felizes!

Eis o resumo do trabalho:

A proposta deste trabalho foi identificar a predominância de satisfação dos professores de Contabilidade no Brasil ao longo da sua trajetória profissional. A pesquisa classifica-se como descritiva e utilizou abordagem quantitativa para análise dos dados. Obtiveram-se 641 respostas válidas de docentes de todas as regiões do Brasil. Os resultados evidenciam que o sentimento de satisfação predomina nos docentes dos cursos de Ciências Contábeis, pois a maioria dos docentes “gosta da profissão” e, em geral, “sente-se satisfeita com a profissão”. Identificou-se que os níveis de satisfação são maiores entre os indivíduos com mais tempo de experiência, de forma que, nos primeiros anos no trabalho (um a três anos), os docentes têm menores índices de satisfação; já na última fase (acima de 35 anos), estão concentrados os maiores níveis de satisfação. O fator que mais impulsiona a satisfação é a realização pessoal (trabalho docente e relação com os alunos). Também foi possível identificar que sentimentos positivos em relação à docência predominam (67,3%) quando comparados aos negativos (32,7%). Esses resultados mostram a necessidade de maior atenção nos primeiros anos da carreira a fim de ser evitado o “choque de realidade” e também a necessidade de outros estudos que investiguem como se caracterizam as fases do ciclo de vida do professor de Contabilidade.


22 de mar de 2017

Eufemismos contábeis

Ao ler uns textos escritos por autores formados na área de Contabilidade, vejo que a referência mais comum ao que ocorreu em 1964 no Brasil fala em movimento e não em golpe militar. É para se pensar... Será que os contadores gostam de utilizar palavras mais leves para se referir a fatos graves? 
Eufemismos contábeis!
Um dos atuais ministros do STF, mesmo sem ser contador, usa eufemismos com certa frequência. Um exemplo é quando diz que Caixa 2 não é corrupção ou ainda é uma opção das empresas para evitar exposição demasiada.

XXII Prêmio Tesouro Nacional 2017



O Prêmio Tesouro Nacional é idealizado pela Secretaria do Tesouro Nacional e tem a finalidade de estimular a pesquisa na área de Finanças Públicas, reconhecendo os trabalhos de qualidade técnica e de aplicabilidade na Administração Pública. 
Poderão concorrer trabalhos individuais ou coletivos,  de candidatos de qualquer nacionalidade e formação acadêmica (graduação ou pós-graduação).

Os temas do concurso são:
1. Equilíbrio e Transparência Fiscal
2. Alocação Eficiente do Gasto Público
3. Dívida Pública e Concessão de Garantias

Maiores informações e inscrições: http://www.esaf.fazenda.gov.br/assuntos/premios/pagina-principal-xxii-premio-tn-2017 

Concurso de Monografias - Academia Nacional de Economia

Divulgação:
1º Concurso de Monografias da Academia Nacional de Economia – ANE
Idealizado e instituído pela Academia Nacional de Economia - ANE, o seu 1º Concurso de Monografias, com periodicidade anual, tem por finalidade identificar problemas, propor soluções, estimular a pesquisa e contribuir para o desenvolvimento do conhecimento humano nas áreas das ciências econômicas, políticas e sociais.

Tema geral do concurso: A Economia Verde

Subtemas para as monografias:
1 - A Atualização do Direito Tributário frente a Economia Verde
2 - Economia Verde e Desenvolvimento Sócio econômico
3 - A Economia Verde e o Desenvolvimento de Cidades Inteligentes
4 - A Mudança de Comportamento dos Agentes Econômicos na Transição para a Economia Verde
5 - Economia Verde e os Novos Padrões de Produção, Distribuição e Consumo
6 - Economia Verde: Desafios e Oportunidade de Novos Negócios
7 - A Economia Verde e as Necessidades de Adaptações Jurídicas, Tecnológicas e Sociais
8 - A Amazônia e a Economia Verde

Maiores informações e inscrições: http://www.academia-ane.org/detalhes.asp?id=1&programacao=12 

Moody's: Somos estáveis!(?)

Somos estáveis!(?)

A agência de classificação de riscos Moody’s divulgou que mudou a perspectiva de nota do Brasil. De acordo com a Moody’s, a situação do Brasil passa de negativa para estável [Como será que ela concluiu isso?]. Porém, o país ainda não recuperou o grau de investimento [Que também é atribuído por agências como a Moody’s].

Matéria publicada no jornal Valor Econômico:

A Moody's pegou de surpresa boa parte do mercado, que qualificou como “ousada” a decisão da agência de alterar a perspectiva da nota de crédito do Brasil de "negativa" para "estável". Para justificar a ação, a Moody's citou estabilização econômica [Onde? Quando? Como?], convergência da inflação à meta, melhora da perspectiva fiscal e do ambiente institucional [Não é possível que ela considera o nosso ambiente institucional estável, não... Em tempos em que os principais nomes que estão no comando do país estão envolvidos em escândalos de corrupção] e números mais positivos da Petrobras [Prejuízo menor é positivo!!!]. O rating permanece em “Ba2”, ou dois níveis abaixo do grau de investimento.

Em um período em que o Brasil questiona como são feitos os hambúrgueres e as salsichas nos principais frigoríficos do país, cabe questionar também como são calculados os indicadores que as agências de riscos usam para classificar os países e as empresas.

E vale: a carne é fraca, mas os interesses escusos podem ser muito fortes!

14 de mar de 2017

Aula de Economia ilustrada

Tem alguns conceitos que são mais simples de entender se alguém desenhar. Está aí.



4 de mar de 2017

IV Encontro Brasileiro de Administração Pública

A Sociedade Brasileira de Administração Pública (SBAP) convida a comunidade acadêmica e profissional para participar do IV Encontro Brasileiro de Administração Pública, a ser realizado nos dias 24 e 25 de maio de 2017, na cidade de João Pessoa, Paraíba.

O evento contará com duas conferências internacionais. Na abertura, dia 24 de maio, Gregório Montero (Secretário Geral do CLAD) irá palestrar sobre a “Construção da Administração Pública do Século XXI”. No encerramento, dia 25 de maio, Álvaro Vicente Ramirez-Alujas (Pesquisador - GIGAPP) irá palestrar sobre “A Reforma do Estado e a Modernização da Gestão Pública”.

A submissão de artigos está aberta até o dia 15 de março de 2017. Os artigos aprovados serão publicados e discutidos em cinco Grupos de Trabalho (GTs). Maiores informações estão disponíveis no endereço: http://www.ufpb.br/ebap/contents/paginas/grupos-de-trabalho

O evento conta ainda com sete Oficinas, abertas a participação de estudantes de graduação e profissionais, interessados em aprofundar seus conhecimentos sobre a Administração Pública. 

Para maiores informações visite o website do evento, disponível em: http://www.ufpb.br/ebap

Infos:
IV Encontro Brasileiro de Administração Pública
Quando: 24 e 25 de maio de 2017
Onde: João Pessoa, Paraíba.

3 de mar de 2017

Carnaval acadêmico

O carnaval acabou na Quarta-feira de Cinzas?

Para o Bloco Unidos do Deadline, não!!!
Os foliões deste bloco, que desfilam por laboratórios de pesquisas e corredores acadêmicos, têm uma proposta para os avaliadores dos trabalhos que serão submetidos até o deadline.
Para o pessoal da área de Ciências Contábeis, no próximo dia 06/03 é o deadline do Congresso Anpcont!

Eis os quesitos de avaliação:

1) COMISSÃO DE FRENTE: Título e Resumo
A Comissão de Frente é julgada de acordo com a concepção e a capacidade de causar impacto em sua função de saudar o público e apresentar a escola na avenida, levando em conta a coordenação, o sincronismo e a criatividade. É obrigatória a apresentação em frente às cabines de julgamento.

No artigo: A comissão de frente (ops!), o Título e Resumo devem representar de forma sumária as discussões relevantes do trabalho.
***

2) ENREDO: Introdução, Relevância, Justificativa, Estrutura
O Enredo é a criação e apresentação artística do tema ou conceito escolhido pela escola de samba. O julgador deve analisar a capacidade de compreensão do tema proposto com as fantasias e alegorias levadas à avenida, bem como a criatividade e sequência da apresentação.

No artigo: os autores devem apresentar a ideia do trabalho de forma a convencer os avaliadores de sua atualidade, relevância e contribuições para a área do conhecimento.
***

3) HARMONIA: Referencial Teórico-Conceitual
O quesito Harmonia analisa o entrosamento entre o ritmo e o canto, considerando a igualdade do canto pelos componentes em consonância com o puxador e a manutenção da tonalidade.

No artigo: o referencial teórico deve estar em sintonia com o objetivo do trabalho, baseado em fontes confiáveis, relevantes e atuais.
***

4) EVOLUÇÃO: Coerência
A Evolução é a progressão da dança de acordo com o ritmo do samba executado pela bateria. O julgador deve analisar a fluência da escola na avenida e a espontaneidade, criatividade e empolgação dos componentes, penalizando atrasos, retrocessos, correria e buracos desnecessários entre as alas.

No artigo: A construção do trabalho deve mostrar coerência entre os objetivos, a base teórica, os métodos e os resultados alcançados.
***

5) SAMBA-ENREDO: Escrita
No quesito Samba-Enredo são avaliadas a letra e a melodia, levando em conta a riqueza poética, a beleza e o bom gosto, além da capacidade da harmonia musical facilitar o canto e a dança dos componentes.

No artigo: O trabalho deve ser bem redigido, na língua escolhida para a sua apresentação, bem como ter uma linguagem adequada a textos científicos, em geral mais objetiva.
***

6) ALEGORIAS E ADEREÇOS: Submissão, apresentação, template
O quesito Alegorias e Adereços engloba os elementos cenográficos sobre rodas ou não, que devem ser julgados de acordo com a concepção e adequação ao tema, bem como a criatividade, impressão causada e o acabamento e cuidado na confecção e decoração. Nesse quesito também são avaliados os destaques e componentes que estejam nos carros alegóricos.

No artigo: O trabalho precisa respeitar as normas de cada congresso ou periódico. Cada um tem uma cartilha para submissão... Tem até quem peça resumo expandido... Esse é para tirar do sério pierrôs e colombinas
***

7) FANTASIAS: Formatação
O quesito Fantasia julga a adequação dos vestuários dos componentes ao tema proposto para cada ala, bem como a uniformidade dos detalhes entre os componentes.

No artigo: os autores têm que atentar às normas de citação e referência (ABNT, APA...), espaçamento, fonte, número de páginas...
***

8) BATERIA: Análise de Resultados
Para o quesito Bateria são levados em conta a manutenção e sustentação da cadência com o samba-enredo, a “perfeita conjugação de sons” dos instrumentos, a criatividade e a versatilidade. Devem ser desconsideradas eventuais panes no sistema de som, a utilização de instrumentos de sopro ou a não parada nos recuos, que não são obrigatórias.

No artigo: Ah, se não apresentar resultados condizentes com os objetivos do trabalho... É nadar, nadar e morrer na praia... Daí tem que voltar para o grupo de acesso... E submeter no próximo ano!
***

9) MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA: Conclusão
O último quesito é o casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira. É avaliada a adequação da roupa para a dança, bem como a beleza e o bom gosto. A dança não deve ser o samba e sim um bailado no ritmo do samba, com graça, leveza e harmonia entre o casal.

No artigo: Conclusão não é resumo de resultados! Os autores devem mostrar em que o trabalho contribui para a área de conhecimento, além das implicações acadêmicas do trabalho, sem esquecer de apontar as oportunidades para futuros enredos (ops! futuras pesquisas).

Texto de Weslei Camelo e Claudia Cruz

22 de fev de 2017

Diversidade, Interculturalidade e Organizações

Chamada de Artigos para o Dossiê: Diversidade, Interculturalidade e Organizações


A Revista de Gestão Social e Ambiental (RGSA), revista classificada como B1 no WebQualis, cumprindo seu papel de divulgar pesquisas contemporâneas e relevantes no campo da gestão social e ambiental, convida autores/as a submeterem para avaliação artigos para compor o dossiê “Diversidade, interculturalidade e organizações”.

Consulte o link a seguir e tenha acesso a todas as informações:

https://rgsa.emnuvens.com.br/rgsa/announcement/view/1

21 de fev de 2017

Controle Governamental, Accountability e Coprodução

A Revista Sociedade, Contabilidade e Gestão - SCG (Qualis B2) está com uma chamada especial sobre "Controle Governamental, Accountability e Coprodução", a ser co-editada pelos professores André Aquino (FEA-RP/USP), Arlindo Rocha (ESAG/UDESC), Cecília Olivieri (EACH/USP), e José Antonio Gomes de Pinho (EA/UFBA).

Maiores detalhes no site da Revista: http://www.atena.org.br/revista/ojs-2.2.3-06/index.php/ufrj/index

Chamada Especial: http://adcont.net/public/chamada_especial_2017.pdf
“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)