3 de dez de 2011

Percepção da corrupção


Brasil piora em ranking internacional de percepção da corrupção

Texto publicado no Valor Econômico, por Marcílio Souza – Bloomberg (01.12.2011)

O Brasil apresentou pequena melhora em seu Índice de Percepção da Corrupção do Setor Público, medido pela Transparência Internacional, mas perdeu posições no ranking geral entre o ano passado e este.
O Brasil subiu de 3,7 pontos no ano passado para 3,8 este ano. A escala vai de zero a dez, e quanto mais elevado o número, menor a percepção de corrupção. Apesar disso, o Brasil perdeu quatro posições no ranking, caindo do 69º lugar em 2010, quando a pesquisa abrangeu 178 países, para a 73º posição neste ano, quando 183 países ou territórios entraram na sondagem.
Com 9,5 pontos, a Nova Zelândia manteve-se na primeira posição entre os países com menor percepção de corrupção, seguida por Dinamarca e Finlândia, ambas com 9,4. Na outra ponta ficaram Coreia do Norte, estreante na pesquisa, e Somália, ambas com 1,0 ponto.  
Os EUA perderam duas posições no ranking, ficando em 2011 em 24º lugar, embora tenham mantido os 7,1 pontos. Na zona do euro, o país mais mal colocado foi a Grécia, que caiu da 78ª para a 80ª posição; a Itália é o segundo com maior percepção de corrupção dentro do bloco, tendo recuado do 67º lugar no ano passado para o 69º em 2011.
“Os países da zona do euro que estão enfrentando crises de dívida, em parte por causa do fracasso das autoridades públicas para lidar com a propina e a evasão fiscal, estão entre aqueles com a mais baixa pontuação”, disse em relatório a Transparência Internacional, que tem sede em Berlim.
O índice mostrou que dois terços das 183 nações pesquisadas tiveram pontuação abaixo de 5,0. Países do Oriente Médio, que no último ano passaram por revoluções políticas, receberam, em sua maior parte, menos de quatro pontos e pioraram no quadro geral. O Egito perdeu 14 posições e ficou na 112ª, enquanto a Tunísia passou da 59ª para a 73ª. A Líbia despencou 22 lugares, ficando este ano no 168º posto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)