4 de set de 2014

Profissionais que mais fazem falta no país

Profissionais das áreas de finanças, engenharia, TI e vendas estão em falta no Brasil, segundo uma pesquisa realizada pelo ManpowerGroup.
Márcia Almström, diretora de recursos humanos da empresa responsável pelo levantamento, diz que as áreas com maior carência de bons profissionais têm forte apelo técnico e explica que, associadas a competências técnicas, também estão em falta as chamadas 'soft skills' ou habilidades mais 'brandas', ligadas a gestão e liderança, por exemplo. "Para se dar bem num mercado tão sedento, esses profissionais raros precisam construir sua carreira além do conhecimento técnico e buscar outras qualificações", afirma.
Dos 42 países focalizados pela pesquisa, o Brasil é o 4º com maior escassez de talentos, empatando com a Argentina. "Entre outros motivos para essa situação, há um grande aumento da competitividade, avanços tecnológicos e lacunas na formação profissional", explica Almström. No ranking também figuram operários, motoristas, técnicos e trabalhadores de ofício manual.

E quem aparece mais uma vez como área promissora e com carência de bons [bons mesmo!] profissionais: A nossa querida Contabilidade!

7. Contadores e profissionais de finanças
São aqueles que acompanham, medem e garantem a saúde financeira da empresa. Em tempos de exigência por produtividade máxima, cuidam da gestão dos custos e da rentabilidade do negócio.

Por que estão em falta: A realidade no mundo dos negócios mudou. Hoje, as empresas não precisam apenas do profissional que registra dados numéricos e faz apontamentos. "É preciso dominar o aspecto técnico das finanças, mas também ter um perfil de influenciador e consultor interno a respeito do negócio", explica Almström.

Matéria publicada no portal Exame.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)