15 de dez de 2012

Balanço do segundo ano de Doutorado


Pessoal, 
Vou partilhar com vocês um pouco do que vivi nesse segundo ano do Doutorado em Controladoria e Contabilidade na FEA/USP.
Quando terminei o primeiro ano já tinha cumprido os créditos das disciplinas obrigatórias e eletivas, mas optei por cursar uma disciplina da área de Econometria, para complementar a formação em métodos quantitativos.
Cursei a disciplina Econometria III, oferecida pelo Departamento de Economia da FEA/USP, com o professor Naércio Menezes Filho, o melhor professor de Econometria que eu poderia ter! E entre variáveis instrumentais, endógenas, exógenas, sistemas de equações, Probit, Logit, SUR, POLS, SOLS, SGLS, FGLS, SIV, GMM, efeitos fixos (FE) e aleatórios (RE), modelos multinomiais e hierárquicos, variâncias robustas, matrizes e um diversidade de símbolos que expressam relações entre variáveis, consegui concluir a disciplina com aproveitamento no primeiro semestre de 2012.
No segundo semestre fiz a disciplina Seminário de Tese, a qual consiste em encontros mensais, presididos por dois professores da área de Metodologia e Pesquisa, em que nossos projetos de tese são discutidos e aperfeiçoados.
Na verdade no início de 2012, tinha planos de cursar essa disciplina no primeiro semestre, mas o meu orientar “recomendou” cursá-la no segundo semestre, após uma reflexão maior e mais leitura para o projeto de tese. E “recomendação” de orientador não se discute!
Enfim... Fiz o Seminário de tese! Essa disciplina culmina com uma pré-qualificação do projeto, que lá na FEA/USP costumamos chamar de “banquinha”. Nessa banquinha, composta de três professores, recebemos críticas e contribuições para melhoria no projeto de tese. E, se aprovado, o candidato está pré-qualificado e pode seguir em frente com o projeto.
Resultado: Estou pré-qualificada, posso continuar com o projeto! 2013, estou chegando! Minha tese, minha vida!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)