27 de fev de 2010

WalMart contra Trabalho Escravo

Esse texto é um sinal de que nem tudo está perdido. Em nosso país tem gente séria e empresas sérias. Já que é para ter lucro, que pelo menos seja um lucro responsával, correto, sustentável!

A Cosan na lista suja – e as reações

por Ana Luiza Herzog em 08 Jan. 2010

A operação brasileira do WalMart informou que deixará de comprar, temporariamente, da Cosan – empresa brasileira donas das marcas de açúcar União e Da Barra-, que são vendidas pelo varejista. O motivo do rompimento é que a Cosan foi incluída, no fim de 2009, no Cadastro de Empregadores Acusados de Trabalho Escravo, a “lista suja” do Ministério do Trabalho.

O WalMart não foi o primeiro a se posicionar publicamente contra a Cosan. Ontem, o BNDES também informou que suspendeu, como uma medida preventiva, as operações com a empresa. Em nota oficial, o banco afirmou que o fechamento de novos contratos com a empresa está condicionada à exclusão da companhia do cadastro e que, nos contratos em fase de desembolso, a retomada das liberações “dependerá da avaliação da instituição quanto à efetividade e suficiência das medidas trabalhistas e legais implementadas pela empresa”.

O grupo Cosan é o maior do setor sucroalcooleiro do Brasil e foi incluído na lista negra de trabalho escravo, realizada no fim do ano passado, devido a um flagrante do Ministério do Trabalho realizado em 2007, em uma fazenda no interior de São Paulo. Na época, os fiscais do ministério encontraram irregularidades na contratação e na acomodação dos trabalhadores contratados por uma empresa que prestava serviços de corte de cana para a Cosan. A empresa afirma que, logo após o ocorrido, descredenciou a tal empresa e tomou as medidas cabíveis. Ainda assim, a mancha na reputação foi feita, e não vai ser fácil se livrar dela.

Terceirização é coisa muita séria, mas nem todas as empresas entenderam isso ainda.

Fonte: Portal Exame

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)