6 de abr de 2011

Questões sobre Ativo Intangível

Pessoal, apresento a seguir algumas questõs dos temas discutidos essa semana na disciplina Contabilidade Societária. Contribuições e dúvidas podem ser postados como comentários para discutirmos.

As questões a seguir devem ser respondidas com base no CPC 04 (IAS 38) -
Ativo Intangível, CPC 15 - Combinação de Negócios e no Manual de Contabilidade Societária (FIPECAFI), além da Lei nº 6.404/1976 e atualizações:

1) Quais as condições para enquadramento de um item (ex. gastos pra aquisição, desenvolvimento, manutenção ou melhoria de recostos intangíveis) como Ativo Intangível?
2) Como uma entidade deve agir quando existirem dúvidas se determinado ativo deve ser tratado como intangível ou outra categoria em função desse ativo estar contido em elementos tangíveis?
3) Como devem ser mensurados ativos intangíveis adquiridos em combinação de negócios e ativos intangíveis adquiridos separadamente? Numa eventual perda por impairment qual deve ser alocado primeiro?
4) Em uma combinação de negócios, como devem ser reconhecidos os ativos intangíveis da adquirida e o goodwill, separada ou conjuntamente?
5) Como mensurar o valor justo de ativos intangíveis que são únicos no mercado?
6) Quais os critérios para que gastos com desenvolvimento possam ser reconhecidos como Ativo Intangível?
7) Quais os custos usuais de desenvolvimento podem ser acumulados para fins de reconhecimento como Intangível?
8) Quais as principais diferenças no tratamento de ativos intangíveis entre empresas em geral e PME’s?
9) Quais as diferenças no reconhecimento da depreciação e eventual perda por impairment nos ativos intangíveis com vida útil finita e com vida útil indefinida?

Post relacionado do Blog IFRS Brasil dos colegas de turma Gustavo Tancini e Samir Sayed: O tratamento de ativos intangíveis: uma pequena comparação entre o Full IFRS e as IFRS para Pequenas e Médias Empresas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)