6 de mar de 2009

As 10 profecias tecnológicas que nunca aconteceram

A T3 Magazine ( uma revista americana de tecnologia ) decidiu separar as 10 maiores profecias tecnológicas da história que foram um fracasso.
O primeiro colocado no ranking foi o Alan Sugar fundador da Amstrad que prognosticou o grande fracasso do IPod em Fevereiro de 2005.
- “No próximo natal o iPod estará morto, acabado, enterrado…” Depois desta declaração, a Apple vendeu 174 milhões de reprodutores e Sugar conseguiu a honra de ocupar o primeiro posto do ranking.
Outro guru da tecnologia que aparece 2 vezes no Ranking é Bill Gates, que em uma de suas profecias disse que o Spam estaria resolvido em 2 anos. E um computador não precisaria mais que 640kb.

Confira o Ranking:

1. “O iPod nunca decolará”, Alan Sugar, em 2005.
2. “Não é necessário ter um computador em cada casa”, Ken Olsen, fundador de Digital Equipment, em 1977.
3. “Os aspiradoras impulsionadas por energia nuclear serão uma realidade em dez anos”, Alex Lewyt, presidente da Lewyt- fábrica de aspiradores, em 1955.4. “A TV não durará muito tempo porque as pessoas logo se cansarão de passar todas as noites olhando uma caixa de madeira”, Darryl Zanuck, produtor da 20th Century Fox, em 1946.
5. “Nunca fabricarão um avião maior que este”, um engenheiro da Boeing, deslumbrado ao ver o Boeing 247, com capacidade para 10 passageiros, em 1933.
6. “Estamos bem próximos do correio via foguete”, Arthur Summerfield, diretor geral de Serviço Postal, em 1959.
7. “Ninguém vai precisar mais que 640 Kb de memória em seu computador pessoal”, Bill Gates, em 1981.
8. “Os americanos precisam do telefone. Nós não. Nós temos mensageiros de sobra”, Sir William Preece, diretor do Post Office britânico, em 1878.
9. “O spam estará resolvido em dois anos”, Bill Gates, em 2004.
10. “Logo demonstrarão que os raios X são uma fraude”, Lord Kelvin, presidente da Royal Society, em 1883.

Fonte: Aqui



Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)