12 de jan de 2011

Contabilidade = Livro de Poesias?

Encontrei um livro de Poesias cujo tílulo é Contabilidade! Coisas da Terrinha, Coisas de Portugal!

«Contabilidade», o apaziguamento de Valter Hugo Mãe

Fonte: Diário Digital - Texto de Sandra Gonçalves

Calculadoras e folhas de cálculo? Não! «Contabilidade» não é um título de gestão financeira. Quando muito será um manual sobre administração emocional. Neste novo livro publicado pela Alfaguara,
Valter Hugo Mãe apresenta-se como um escritor conciliado porque, segundo assume, o seu fito sempre foi ser poeta.

Ao longo de 11 capítulos, o autor apresenta poemas, alguns inéditos, escritos de 1996 a 2010, num tom intimista e confessional. Começa com «contabilidade», que dá título ao livro, um texto em que se revela um homem magoado e rancoroso.

"venho para te cortar os
dedos em moedas pequenas e
com elas pagar ao coração o
mal que me fizeste

o pior amor é este, o que já é
feito de ódio também. o
pior é amor é este, o que
já é feito de ódio também"

Aventurando-se por domínios estranhos da literatura, dedica este «Contabilidade» a uma infinidade de pessoas.
«Contabilidade é de pegar e não querer mais largar. Aos 40 anos,
Valter Hugo Mãe tem vindo a oferecer, livro após livro, pequenas maravilhas. Um escritor que assume, em jeito de lamento – parece-me - que a prosa contaminou a sua poesia, e que ter passado a maior parte da sua vida a querer ser poeta fez dele um cidadão melhor. Sobre isso não sei, mas que mais talentos como este fazem falta isso é inegável.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)