4 de jan de 2011

Senhas Seguras (Parte 1)

Dicas para criar senhas seguras

Introdução

Por mais incômodo que seja utilizar senhas, ainda não existe recurso que seja ao mesmo tempo melhor, mais confiável e com maior viabilidade para que as pessoas possam proteger seus dados ou seu patrimônio. Nos dias atuais, todos nós precisamos decorar dezenas de senhas: para uso no banco, para acesso ao e-mail, para identificação em uma rede social, para ativação do alarme de casa, etc. O problema é que de nada adianta criar senhas se elas podem ser descobertas facilmente ou se você tiver dificuldades para decorá-las ou protegê-las. Este artigo foi criado para te ajudar a lidar com isso. Você verá dicas para criar senhas seguras, conhecerá macetes para protegê-las, enfim, receberá orientações sobre o que fazer e o que não fazer com elas. Vamos lá?

Parte 1 - Como NÃO criar senhas

1 - Não crie senhas baseadas em sequências

Quando um indivíduo mal-intencionado quer descobrir a senha de alguém, sabe o que geralmente tenta primeiro? Sequências como 123456, abcdef, 1020304050, qwerty (sequência do teclado), entre outros. Senhas sequenciais podem ser decoradas facilmente, por outro lado, podem ser descobertas com poucas tentativas. Portanto, evite-as. Embora possa parecer uma orientação óbvia, muitos problemas de segurança em empresas e em serviços da internet ocorrem pelo uso de senhas desse tipo. Elas podem ser descobertas com tanta facilidade que é cada vez mais comum mecanismos que impedem o uso de sequências quando o usuário vai criar uma senha.

2 - Não use datas especiais, número da placa do carro, nomes e afins

Muita gente utiliza dias especiais, como data de aniversário de um parente ou data de casamento, como senha. De maneira semelhante, há quem utilize o número da placa do carro, o número de sua residência, o número de seu telefone, o número de algum documento, o nome de um filho, o seu sobrenome invertido, entre outros. Essa prática é mais segura que o uso de sequências, por outro lado, uma pessoa mal-intencionada pode descobrir que uma data significa muito para você e levar isso em consideração na hora de tentar descobrir a sua senha. Além disso, alguém pode ver você consultando um documento antes de digitar o seu código. Portanto, evitar o uso dessas informações é uma maneira eficiente de reforçar a sua segurança.

3 - Evite utilizar senhas relacionadas aos seus gostos

Você gosta de futebol e é fanático por um time? Evite utilizar o nome do clube como senha. Você é fã declarado de um grupo musical? Evite utilizar o nome da banda ou de seus músicos como senha. Você adora os livros de um determinado escritor? Evite utilizar o nome dele ou de personagens de suas obras como senha. Quando alguém gosta muito de alguma coisa, geralmente deixa isso claro para todos ao seu redor. Logo, as chances de uma pessoa assim criar uma senha com base em seus gostos são grandes, e um indivíduo mal-intencionado sabe disso.

4 - Não utilize palavras que estão ao seu redor para criar senhas

A marca do relógio na parede do escritório, o modelo do monitor de vídeo em sua mesa, o nome da loja que você pode ver quando olha pela janela, enfim, qualquer nome ao seu redor pode parecer uma boa ideia para uma senha, especialmente quando se trata de uma termo longo e difícil de ser assimilado na primeira tentativa. O problema é que se você olhar para algum desses nomes na hora de digitar uma senha, alguém próximo pode perceber. Portanto, evite usar como senhas termos que são facilmente visíveis em seu ambiente.

5 - Não crie senhas parecidas com as anteriores

Muitos sistemas exigem ou recomendam a troca periódica de senhas. Ao fazer isso, tome o cuidado de não utilizar senha semelhantes às anteriores (que apenas diferem por um ou outro caractere, por exemplo) ou mesmo senhas que já tenham sido utilizadas.

Fonte: Infowester

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Sua participação é muito importante para as discussões de ideias contábeis e outras mais. Obrigada!

“... nunca [...] plenamente maduro, nem nas idéias nem no estilo, mas sempre verde, incompleto, experimental.” (Gilberto Freire)